Título:  A Guerra dos Tronos
Autor: George R. R. Martin
Edição: 8º
Editora: LeYa
Ano: 2010
Páginas: 592


Quando Eddard Stark, lorde do castelo de Winterfell, aceita a prestigiada posição de Mão do Rei oferecida pelo velho amigo, o rei Robert Baratheon, não desconfia que sua vida está prestes a ruir em sucessivas tragédias. Sabe-se que Lorde Stark aceitou a proposta porque desconfia que o dono anterior do título fora envenenado pela manipuladora rainha - uma cruel mulher do clã Lannister - e sua intenção é proteger o rei. Mas ter como inimigo os Lannister pode ser fatal: a ambição dessa família pelo poder parece não ter limites e o rei corre grande perigo. Agora, sozinho na corte, Eddard percebe que não só o rei está em apuros, mas também ele e toda sua família. 


    Classificação:
          

   Após ter lido As Crônicas de Arthur, eu passei a gostar bastante do gênero Romance Medieval Fantástico e resolvi arriscar, colocando na primeira semana da Maratona Literária de Inverno, o primeiro livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo. Confesso que apesar do tamanho do livro, nada me desanimou e a leitura se mostrou intensamente inteligente e instigante. 


     
    A trama é bastante envolvente e um tanto quanto misteriosa, prendendo o leitor logo no prólogo. No livro o foco principal está na família Stark, em especial em em torno de Eddard “Ned” Stark, nobre protetor das terras do norte, que é convocado pelo rei Robert Baratheon a ocupar o cargo de A Mão do Rei – uma espécie de chanceler, que governa em nome do monarca. Amigo pessoal de Robert, Ned relutantemente aceita a incumbência, movido pelo objetivo de proteger seu rei e investigar uma possível conspiração arquitetada pela própria rainha, a ambiciosa Cersei Lannister, e seu irmão gêmeo Jaime.
   
    No início da leitura, devido ao número de personagens e fatos, é comum ficarmos confusos só que isso logo passa quando passamos a perceber que de fato a história se centraliza em poucos e bons personagens. A cada capítulo um personagem é centralizado e isso de fato favorece a leitura e a compreensão. É preciso, ainda, destacar a engenhosidade da narrativa. A divisão em capítulos curtos, cada um focado em um personagem, evidencia a influência dos scripts televisivos na escrita de Martin, ao mesmo tempo em que torna a leitura ágil e fluida.

    A história em si narra uma trama de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de presságios malignos. Entre disputas por reinos, tragédias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar este conflito mortal: a guerra dos tronos.



     O livro é muito bem escrito, narrado em terceira pessoa e com uma linguagem simples, porem formal e sofisticada, algo que só o George consegue fazer. A edição da LeYa está linda, eu tenho tanto a pocket, quanto a original e ambas são lindas. Quanto ao livro eu não tenho nenhuma crítica, nem um ponto negativo porque George é realmente incrível e caso você goste do gênero, A Guerra dos Tronos é altamente satisfatório e recomendado. 


Deixe um comentário